Brasão

Câmara de Vereadores
de Santo Ângelo

Câmara de Vereadores de Santo Ângelo.

Sexta, 17 de maio de 2019

Corte no orçamento do IFFar Santo Ângelo é tema de Audiência Pública

Na presença de docentes, estudantes e servidores do Instituto Federal Farroupilha (IFFar), uma Audiência Pública que debateu os cortes orçamentários das instituições de ensino da rede federal, foi realizada na Câmara de Vereadores de Santo Ângelo, no final da tarde desta quinta-feira, 16.

A reunião foi requerida e conduzida pelo presidente da Casa Legislativa, Dionísio Faganello (DEM), e contou com a participação dos vereadores Vinícius Makvitz (MDB), Valter Mildner (REDE), Valdonei da Luz (PDT), Lucas Lima (MDB) e Paulo Sérgio Silva (PP). Após ler o requerimento que deu origem à audiência, o presidente enfatizou a importância do diálogo e do debate na tentativa de reverter o corte orçamentário destinado às instituições federais.

Com a palavra, a diretora geral do IFFar, campus Santo Ângelo, Rosane Rodrigues Pagno falou sobre a importância da audiência para esclarecer à comunidade santo-angelense as dificuldades que a instituição enfrentará caso ocorra o corte anunciado pelo Governo Federal.

A diretora explicou que desde 2014 as verbas estão sendo reduzidas, e neste ano, o corte deve ser de 30% para instituições em geral e pode chegar a 41,4% para os institutos federais, que sofrerão mais impacto. “É fundamental deixar claro que nem a assistência estudantil, nem os salários dos servidores estão sendo atingidos. O que está sendo contingenciado pelos cortes são as despesas discricionárias, que somam ao todo cerca de 75% do custeio, ou seja, despesas para as atividades diárias, como aquisição de materiais, energia elétrica, água, serviços terceirizados de vigilância, manutenção e limpeza, por exemplo”, enfatizou Rosane.

A preocupação é que se o corte for efetivado, o IFFar Santo Ângelo deve conseguir manter os contratos até setembro ou outubro deste ano. A diretora afirma que já estão sendo tomadas medidas cautelares para que o instituto siga em funcionamento, cortando postos terceirizados, uso de ar condicionado, cuidando o uso de energia elétrica, entre outros. Rosane esclarece: “É feita a priorização das necessidades. Existe uma realidade em cada campus, e a gente tem que se adequar, e é o que estamos fazendo aqui em Santo Ângelo. Onde for possível fazer economia, estamos fazendo”.

Após os esclarecimentos da diretora, a palavra foi aberta para os vereadores e demais cidadãos presentes. Ao final das manifestações, os vereadores se comprometeram em enviar às autoridades competentes, à Assembleia Legislativa e à bancada gaúcha da Câmara Federal, uma Moção de Apoio à causa das instituições públicas de ensino, com abaixo assinado.

Falando sobre a importância do Instituto Federal para o município de Santo Ângelo e para a região das Missões, Faganello enfatizou que “educação não é gasto, é investimento. Sabemos da contribuição do IFFar para o desenvolvimento científico do nosso país, através de suas pesquisas, e queremos que isso possa ter continuidade. A educação sempre será prioridade ”, e reafirmou o compromisso da Casa Legislativa em unir esforços para reverter a redução de verba para o instituto.

Dados

O IFFar Santo Ângelo possui 10 cursos, sendo os técnicos integrados ao ensino médio em Agricultura, Estética (Proeja), Manutenção e Suporte em Informática, e Administração. Já o subsequente, para quem já terminou o ensino médio, é em Enfermagem. Como Cursos de graduação, a instituição oferece Sistemas para Internet, Gestão do Agronegócio, Estética e Cosmética e licenciatura em Computação.

São aproximadamente de 800 alunos atendidos por 52 docentes efetivos e 4 substitutos, 38 técnicos administrativos em educação, além  de 16 servidores terceirizados, sendo que três deles serão cortados.

De acordo com Rosane, o orçamento anual do IFFar Santo Ângelo é de R$ 1.497.494,11. Na prática, o corte deve diminuir cerca de R$ 493 mil do orçamento de 2019, só no campus de Santo Ângelo.

12 de julho de 2019
Cortes sugeridos pelo presidente da Câmara, vereador Maurício Loureiro (PDT), e discutido com líderes, pode gerar uma economia de até R$ 400 mil por legislatura