Brasão

Câmara de Vereadores
de Santo Ângelo

Câmara de Vereadores de Santo Ângelo.

Segunda, 23 de setembro de 2013

Vereadores propõe a implantação de CINOTERAPIA em Santo Ângelo

Foi encaminhado, pelo Legislativo de Santo Ângelo, projeto sugestão que institui no Município o Programa “CINOTERAPIA”. A matéria foi apresentada pelo vereador Paulo Azeredo (PMDB) e contou com o apoio de todos os parlamentares.

Conforme ressaltou o edil, a Cinoterapia é um método que utiliza o cão durante consultas para no tratamento psicológico de crianças, adolescentes e idosos, sendo empregada atualmente nas áreas da psicologia, psiquiatria, fonoaudiologia e fisioterapia.

No projeto, o município fica autorizado a utilizar profissionais de seu quadro de servidores para compor equipe multidisciplinar responsável pelo programa, podendo, inclusive firmar convênio com órgãos públicos e privados, visando à concretização do programa. O programa contará com, no mínimo, um servidor da área de Psicologia e outro da Educação. 

Além disso, para a realização do presente programa, o município contará com o apoio da Brigada Militar, sendo que deverá ser efetuado convênio entre o Município de Santo Ângelo e o Estado do Rio Grande do Sul.

O presente projeto de lei tem por objetivo, implantar o processo de Cinoterapia em nosso município. A Cinoterapia é um método que utiliza o cão junto com o profissional durante as consultas para auxiliar no tratamento psicológico de crianças, adolescentes e idosos, sendo empregada atualmente nas áreas da psicologia, psiquiatria, fonoaudiologia e fisioterapia.

Ao justificar o projeto, Azeredo ressaltou a parceria que poderá ser firmada com a Brigada Militar: “Acredito que implantação deste programa é totalmente viável em nosso município. Poderemos, ainda, contar com o apoio da Brigada Militar que já vem treinando os animais e desenvolvendo essa atividade. O método é simples e proporcionará grandes benefícios à população santo-angelense”.  

12 de julho de 2019
Cortes sugeridos pelo presidente da Câmara, vereador Maurício Loureiro (PDT), e discutido com líderes, pode gerar uma economia de até R$ 400 mil por legislatura