Quarta, 08 de junho de 2016
Vereadora Jacqueline apresenta Moção de Repúdio às Portarias 958 e 959 do Ministério da Saúde

A Câmara de Vereadores de Santo Ângelo aprovou, por unanimidade, Moção de Repúdio aos efeitos das Portarias 958 e 959, do Ministério da Saúde, que tratam, respectivamente, da não obrigatoriedade de contratação de Agentes Comunitários de Saúde (ACS) na composição das Equipes de Atenção Básica e da definição do valor de custeio referente ao acréscimo de profissionais nas equipes do Programa Saúde da Família.

A matéria foi apresentada pela vereadora Jacqueline Possebom, que ao justificar a moção, destacou números que comprovam a relevante colaboração dos Agentes Comunitários para a melhoria dos índices de saúde da população brasileira, principalmente em relação à mortalidade infantil. Outra questão enfatizada pela vereadora foi a relevância das práticas educativas contra violência e, ainda, o serviço de acompanhamento cotidiano aos portadores de doenças crônicas.

Diante dos fatos, Jacqueline afirmou, ainda, que as medidas podem causar grandes prejuízos, comprometendo o futuro dos profissionais e o progresso do Programa Estratégia da Família. “Embora o Ministério da Saúde tenha garantido que as duas portarias não terão aplicação imediata, o Poder Legislativo de Santo Ângelo estará manifestando sua posição contrária aos efeitos das publicações. Nosso papel é defender esses trabalhadores e trabalhadoras que mantêm essa atividade tão importante para a população”, afirmou.

Os fundamentos do Programa Estratégia de Saúde da Família foram, igualmente, lembrados pela vereadora. Para Jacqueline, a posição do Ministério da Saúde vai contra os princípios básicos do Projeto.  “A base que sustenta o trabalho do Agentes Comunitários de Saúde está no saber popular. Além disso, os Agentes vivem a mesma realidade da população que atendem, o que gera proximidade e confiança. Retirar a obrigatoriedade da presença do Agente na equipe mínima da ESF é um retrocesso no que se refere a busca pela implementação de um modelo que ultrapasse as medidas meramente curativas e que esteja voltado à participação e à educação popular”, finalizou Jacqueline.
 
Salas de vacinas no Município

Outra matéria de autoria da vereadora e aprovada por unanimidade na segunda-feira, dia 06,  apresenta questionamentos quanto aos locais e ao horário de funcionamento das salas de vacinas no município. A solicitação é para que a Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, informe quais são os espaços disponíveis e em que período o serviço está sendo prestado. Conforme reiterou Jacqueline, é grande a dúvida por parte da comunidade, que busca saber os horários de atendimento e quais são os espaços destinados para tal. Com a aprovação em plenário, o Executivo terá 15 dias úteis para elucidar as questões.

OUTRAS NOTÍCIAS
18 de julho de 2024
Legislativo visita o Hospital Regional das Missões
17 de julho de 2024
Alunos do programa RS Qualificação recebem certificado
16 de julho de 2024
Legislativo aprova requerimento
15 de julho de 2024
Aprovado Projeto de Lei Executivo Nº 37/2024, que institui o Código de Posturas do Municíp
14 de julho de 2024
Legislativo faz reunião via teleconferência com integrantes da AEGEA