Terça, 28 de maio de 2024
Procuradoria da mulher realizou uma manhã de painel de debates com o tema central “Conversando com a Rede de Atendimento à Criança e ao Adolescente”
Na manhã desta terça, 28, a Procuradoria da Mulher, através do Poder Legislativo, realizou uma manhã de painel de debates com o tema central “Conversando com a Rede de Atendimento à Criança e ao Adolescente”. O evento promove a campanha Maio Laranja e visa a conscientização e prevenção da sociedade no combate ao abuso e exploração sexual infantil.
O evento foi conduzido pela procuradora da mulher, psicóloga e vereadora Simone Lunkes, e teve como painelistas o juiz titular da Vara da Criança e Juventude, Dr. Luiz Carlos Rosa, o juiz titular da 2ª Vara Criminal, Dr. Carlos Adriano da Silva, o promotor de justiça especializada, Dr. Renato Tirapele, a defensora pública, Dra. Andréia Filianoti Gasparini, a delegada titular da DPCA, Dra. Luciana Cunha da Silva, a psicóloga do CREAS, Raquel Hamerski e o conselheiro tutelar, Jonathan Ferreira. Também foi realizado um momento “tira dúvidas” com o público presente, onde foram respondidas dúvidas e debatidas ideias de combate.
Foi destacado pelo conselheiro tutelar Jonathan Ferreira a importância do conselho como órgão de proteção e porta de entrada no aspecto de denúncias. “As escolas possuem papel importantíssimo como vínculos de confiança das crianças e adolescentes, que passam grande parte dos seus dias e muitas vezes sentem-se seguros em expor situações que serão encaminhadas para que as medidas sejam tomadas”.
Da mesma forma, a psicóloga do CREAS, Raquel Hamerski, destacou a necessidade da conversa e reflexão com as famílias, convidando a todos para refletir sobre o tema, a importância da campanha e da data. A delegada Luciana Cunha e a defensora pública Andréia Gasparini ressaltaram a utilização da Lei da Escuta Protegida das denúncias, que possuem garantia de anonimato, e podem ser feitas através do conselho tutelar, da polícia civil, ministério público e disque 100.
O promotor de justiça, Renato Tirapele, pontuou sobre a necessidade de educar a população, crianças, jovens, adultos e idosos sobre a situação, para a construção do futuro. Renato apresentou dados do Boletim do Ministério da Saúde que apontam que casos de abuso e assédio ocorrem dentro da família e em espaços onde a criança possui vínculo, sendo necessário a ocupação da rede protetiva em qualquer espaço.
Foi ressaltado pelos juízes Carlos Adriano e Luiz Carlos Rosa, a necessidade de ouvir, dar credibilidade e tranquilizar a vítima, para não torná-la vítima novamente. Também destacaram a necessidade do auxílio psicológico e da expansão da rede protetiva, através do uso de maior orçamento para a rede e da utilização de mais técnicos e profissionais para trabalhar com as crianças e adolescentes de todo o município.
Para a vereadora, psicóloga e procuradora da mulher Simone Vargas Lunkes, as conversas e reflexões propostas em momentos como estes são extremamente necessárias e importantes para que a sociedade, como responsável pelo enfrentamento ao abuso e exploração sexual, se atente ao tema, ampliando e fortalecendo a proteção integral de crianças e adolescente.
O Anuário Brasileiro de Segurança Pública exibe que no ano de 2023, 22.527 crianças e adolescentes foram vítimas de maus tratos e 60% das vítimas tinham entre 0 e 9 anos, números que podem ser bem maiores, uma vez que muitos destes crimes não chegam a ser notificados. O crescimento apontado pelo Anuário em 2023 foi de 14% para abandono de incapaz, 13,8% de maus tratos e 16,4% de exploração sexual infantil. Enquanto o estupro no Brasil é um crime essencialmente cometido contra crianças e meninas, já que mais de 60% das vítimas possuem menos de 14 anos e mais de 80% são do sexo feminino, as mortes violentas atingem principalmente adolescentes do sexo masculino. O Fórum Brasileiro de Segurança Pública evidencia que a violência atinge crianças e adolescentes das mais diferentes formas.
As denúncias de casos de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes podem ser feitas de forma anônima por meio dos canais de denúncia: Direitos Humanos pelo Disque 100; Conselho Tutelar I pelo número (16) 3305-5600; e o Conselho Tutelar II pelo número (16) 3322-0109.
O ciclo de painéis foi transmitido pelo Facebook e está disponível para aqueles que desejarem assistir novamente.
OUTRAS NOTÍCIAS
24 de junho de 2024
Legislativo realiza entrega de placa comemorativa ao menino Miguel Bueno Hunger
20 de junho de 2024
Vice-presidente Vando Ribeiro representa o Legislativo em reunião que tratou sobre a Portaria nº 325 da SEDUC
20 de junho de 2024
Legislativo realizou Audiência pública para debater novos investimentos para tornar o município mais atrativo
18 de junho de 2024
Aprovados dois novos pedidos de informação durante Sessão Ordinária
17 de junho de 2024
Confira os Projetos de Lei aprovados esta semana